Oi, pessoal!

Hoje eu estou em um misto de nervoso e ansiedade para escrever. Primeiro porque em geral, eu tenho falado sobre livros, e hoje fugirei um pouco dessa rotina. Segundo, que para inaugurar o segmento dos filmes, eu fui pegar logo um filme indicado ao Oscar em várias categorias. Se bem que, na tradição de filmes e séries baseadas em livros, ele ainda se encaixa.
(PODE CONTER SPOILERS LEVES) Lion, inspirado no livro "Uma longa jornada para casa" por sua vez baseado em fatos reais, é a história de Saroo, um menino de 5 anos miserável. No sentido de abaixo da linha da pobreza mesmo. Ele mora em uma casa de apenas um cômodo, em um distrito chamado Ganesh Talai, na Índia, com a mãe, o irmão, que já é quase um adolescente, e uma irmã bem mais novinha. 

Uma noite, em uma das viagens do Guddu para tentar ganhar algum dinheiro, na qual Saroo insistiu em acompanhá-lo, o menino não resiste ao sono, e decide dormir na estação de trem onde pararam, enquanto o irmão trabalha. Quando ele acorda, nem sinal de alma viva por perto. Pensando que o irmão está dentro do trem parado à sua frente, ele entra e dorme lá dentro. O trem parte com ele, e dias depois ele vai parar em Calcutá.
Sozinho, sem ter como voltar para casa, pois além de não falar o idioma,  não sabe nem o nome da mãe, nem do lugar onde mora, Saroo passa a perambular pelas ruas. Esse menino super esperto vai viver altas aventuras com um pessoal da pesada... tá, parei com o narrador da sessão da tarde, mas basicamente a sorte dele muda, o menino é adotado por uma família australiana, e passa a desfrutar de todas as oportunidades e privilégios de um garoto de classe média alta. Mas não é só isso! O negócio é que memória afetiva é aquilo. Um cheiro, um gosto, um lugar precioso pra você, te leva longe. Eu tenho isso com biscoito Wheat Thins.

Vinte e cinco anos anos depois, o agora (gostoso) adulto Saroo, interpretado nessa fase por Dev Patel, é levado a relembrar o passado e é acometido por um forte sentimento de culpa, por ser tão privilegiado, enquanto a mãe e o irmão nem sabem que está vivo. Com a ajuda do Google maps, ele tenta encontrar a sua cidade natal e a sua família, para poder então seguir em frente.

O que falar sobre esse filme? Primeiro, foi brutal. Nível ninjas cortadores de cebola do meu lado. O estreante ator mirim, Sunny Pawar, já me fez querer socar aquela cara toda desde a noite da exibição do Oscar, de tão extremamente fofo e talentoso. E ele dá um show durante todo o seu tempo de cena, que é metade do filme.

Em segundo lugar, Dev Patel. Eu vou ser bem sincera, e dizer que o Dev Patel passou por uma transformação aos meus olhos, desde “Quem quer ser um milionário.” Este foi o terceiro trabalho dele que assisti. No filme de 2008, não o achei tão bom ator assim. Me matem, me pisem, eu amei o filme, mas a interpretação ainda estava crua. 

Anos depois, assisti a bomba, conhecida como “O último mestre do Ar”. Essa abominação, que tenta se passar por adaptação da série Avatar, quase me traumatizou a ponto de não querer ver o original. Enfim, como diria a Gloria Pires, não posso falar sobre isso. Aí veio Lion. E com ele o lacre. O Dev Patel conseguiu me fazer esquecer totalmente dos outros papéis (os razoáveis e os ruins). A indicação dele para o Oscar de melhor ator coadjuvante foi merecida. Não vi os outros, então não posso opinar sobre a justiça ou não em ele não ter ganho o prêmio, mas com certeza ele tinha gabarito para estar lá.
Nicole Kidman, não sei. Acho uma ótima atriz, mas não apresenta nenhuma surpresa, além da caracterização absurda (no sentido de excelente) para se parecer com a mãe adotiva do Saroo.

Um aspecto desse filme que para os espectadores anglófonos desacostumados a ver filmes estrangeiros causaria algum impacto, é que metade do filme é legendada. Algo mais do que esperado, já que a história da infância de Saroo se passa na Índia e em Calcutá. Mas acredito que para quem já esteja acostumado a ver filmes legendados, como acontece muito no Brasil, isso tenha um efeito positivo. Como um tempero diferente.

Sobre o par romântico, ficou muito legal. Rooney Mara, uma jovem atriz que eu considero um camaleão em termos de atuação, tem uma química legal com o Patel, mesmo que o romance fique um pouco em segundo plano. Aliás, esse é outro aspecto que me agradou demais.
A fotografia, impactante. Logo nas primeiras cenas, os meninos brincam com uma revoada de borboletas, e correm por um trilho de trem. Me arrepiou toda.
Agora falemos sobre a sofrência. Sério, já fiquei mal quando o menino se perdeu na estação. Quem nunca se perdeu no shopping ou na praia, por cinco minutos que fosse? O desespero é real. Agora multiplica por mil. Um menino de cinco anos se perde em uma estação de trem e vai parar nas ruas. Isso acontece todos os dias. Nós não moramos na Índia nem nada, mas os casos de crianças desaparecidas, seja por se perderem, por morte dos pais, por sequestro, acontecem aqui também. Isso é que toca fundo. Uma situação que infelizmente podia acontecer com qualquer um. Lembro até hoje da campanha da novela Explode Coração, para ajudar a encontrar crianças perdidas. Depois, tem o sentimento dele de culpa e a angústia na procura pela família, com a ajuda da tecnologia. 

Filmes comoventes com histórias inspiradas em fatos reais podem ser manipuladores. Poderia citar Joy e À procura da Felicidade, só na categoria indicados ao Oscar. O que torna esse filme diferente, então? Simples. Ele não se encosta no fator drama para contar a história. Já temos uma história real, triste com superação. Não precisa colocar ainda mais sal na ferida. 

Vejo muita gente reclamar de filmes brasileiros por retratarem miséria, criminalidade, por ser apelativo. Aposto que se esse filme fosse rodado no Brasil, ia ter quem falasse mal, torcesse o nariz. Mas ele poderia se passar aqui, tranquilamente, pelos elementos em comum. Famílias em estado de miséria absoluta, roubando pra comer, não faltam. A desigualdade social também está presente por aqui. Tentativa de abuso, definitivamente. Crianças que se perdem dos pais para sempre, nem se fala. Tem aos montes.

De fato, o filme me lembrou, de leve, Central do Brasil, de Walter Salles Jr. Primeiro, porque ambos atores mirins passavam veracidade. Depois, pela trajetória dos dois. O ator Vinícius de Oliveira, na época com 11 anos, era engraxate na rua antes de ser descoberto. O ator mirim Sunny Pawar morava em uma área mais pobre de Mumbai, uma espécie de favela. Ambos foram parar no tapete vermelho.

Para terminar, outro ponto interessante foi a justaposição de cenas e fotos do filme e da realidade. Cenas da filmagem do Saroo na infância, da mãe biológica, e da mãe adotiva. É um recurso que permite aos espectadores comprovarem o trabalho que foi feito no sentido de captar a essência, bem como o trabalho de escalação dos atores, e a caracterização dos mesmos.

Lion, dirigido por Garth Davis, teve seis indicações ao Oscar. O filme tem 120 minutos, e conta com as atuações de David Wenham, Dev Patel, Nicole Kidman, Sunny Pawar, Abhishek Bharate (Jesus, que nome difícil)  e Rooney Mara.

Escrevi quase um testamento aqui, e nem tenho coragem de colocar minha nota. Quer dizer, não é óbvio, com tudo isso, que eu amei a história? É dez. Nota dez. 

Beijos da Lari

36 Comentários

  1. Respostas
    1. Pois eh neh. Parece que o jogo virou, n eh mesmo? ahauajauahau

      Excluir
  2. Nossa, não tinha reconhecido que ele era de Quem quer ser um milionário! Eu tinha uma ideia bem vaga sobre esse filme, mas agora fiquei mega curiosa em assistir. A história inusitada dele, o simples fato de dormir no trem que transformou todo o resto de sua vida. Adorei a resenha! Essa história promete muito mesmo

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oieeeeee Lari!
    Tinha visto uma indicação desse filme no blog da bruxinha e fiquei curiosa.
    Lendo sua resenha fiquei apaixonada, inspirada e decidi assistir!
    O plot é instigante e essa overdose de fofurice que é o Sunny (bochechas para apertar!), Dev Patel (assisti Exótico Hotel Marigold e O homem que viu o infinito ameeeei) e Nicole Kidman (voltando a interpretar bons papéis)
    Essa mistura de realidade e poesia.
    Tenho pavor de pensar em crianças que desaparecem (certeza que vou desidratar de chorar) e superação sem apelar, merece mesmo nota 10!
    E só para não dizer que não falei: resenha escândalo nota 1000!
    Arrasou!

    Ahhhhh me inspirei nas suas avaliações e "tasquei" um "4" monstrinhos no meu post de A chegada, claro que com os seus devidos créditos de A la Lari e o link!!!
    Bjsssss e excelente fds pra ti
    Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahauahauahauahauahuha Adoro seus comentários. Pode usar a classificação à vontade!!! Tenho q ver esses filmes ai q vc falou!!! soubr q ele tbm fez Skins. bjosssss

      Excluir
  4. Pronto! Mais um filme que eu quero desesperadamente ver! Como não querer após ler esse seu post?
    Confesso que eu tenho uma queda por histórias que se passem na Índia e por histórias sobre pessoas tentando reencontrar seu passado/sua família. Vou fazer o possível para ver assim que der, parece ser emocionante.

    http://petalasdeliberdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu não sabia da existência desse filme (Psé...) e agora quero ver, curioso. Fico feliz que tenha inaugurado esse seguimento no seu blog, moça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Continuo dando prioridade a livros, mas volta e meia falarei de filmes tbm.

      Excluir
  6. Estou me preparando piscicologicamente pra ver esse filme. Promete altos afogamentos em lágrimas e minha estrutura pra isso é bem pouca!
    Adorei o jeito que contou sobre o filme, tão interativo e fofo!

    Beijos da Nanáh :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!!!Tento manter 9s textos leves. bjosss

      Excluir
  7. Olá, não conhecia o filme, nunca ouvi falar, mas já amei, a história parece ser muito linda, já quero ver e chorar rios, de imediato reconheci o ator na imagem, mas não tinha certeza que era ele mesmo, gato demais! amei a resenha e o blog, parabéns ��

    ResponderExcluir
  8. Só há pouco tempo e que descobri que esse e o ator do Quem Quer ser Bilionario

    Acho que o filme poderia ser melhorzinho

    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, sempre pode ser melhor. Se fosse melhor ganharia todos os Oscar. O que falo aqui eh do q achei, de como determinado filme me tocou e tal... Bjosdd

      Excluir
  9. Olá, que já queria ver esse filme, e agora ao ler a sua resenha fiquei ainda mais curiosa.
    Muito bacana.
    Abraços,
    Uiara Melo

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Aposto que será nota 10 mesmo! Estou cheia de vontade de ver esse filme e ainda não tinha visto nada tão completo e tão bem escrito acerca dele.
    Beijos

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
  11. Oi linda tudo bem
    Gostaria muito de ver esse filme,ainda mais de depois ler sua resenha,que ficou ótima,essa história promete vc muito,não quero perder a oportunidade de assistir esse filme,bjs💋

    ResponderExcluir
  12. Larissa, bem escrito teu testamento, quero dizer, resenha, kkk.

    Ainda não vi o filme, mas certamente verei. Esse ator Dev Patel também fez um filme chamado O Homem que viu o Infinito, em que atua com o mito Jeremy Irons. Simplesmente demais! Já viu esse filme? Recomendo super!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa o testamento. É que não dava pra sintetizar a experiencia sem perder algo. Ainda n vi esse filme. Vou procurar!!! Obrigada, bjosss

      Excluir
  13. Eu nunca tinha ouvido falar desse filme, mas adicionei ele na minha listinha aqui. Parabéns pela resenha e pelo blog! Quero ver mais posts assim por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Tento sempre fazer um bom trabalho!!! Bjosss

      Excluir
  14. Olá!
    Uau! Fiquei chocada em saber que é baseado em fatos reais, fiquei muito triste com esta situação, um menino de apenas 5 anos! E como você disse, isto ocorre aqui também.

    Amei sua resenha, de verdade mesmo!
    Com certeza, irei procurar este filme para assistir, e sei que vou chorar muito!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Oi.

    Estou com esse livro na estante que recebi da editora e já estou me programando para lê-lo. Também recebi um par de ingressos para ver o filme, mas não consegui ir. Estou bem ansiosa para ler o livro e assistir o filme, sei que vou adorar fazer os dois. É a primeira resenha que leio e adorei. Só me deixou mais empolgada para tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!!! Eu estou louca pra ler o livro. Bjossss

      Excluir
  16. Eu não tenho acompanhado muito os filmes lançados este ano, anto que nem soube direito os ganhadores do Oscar. Bom que você me ajudou. Esse filme já tem um tema interessante, depois da resenha e sua explanação fiquei com vontade maior ainda de ver! Obrigada por dividir os detalhes dele com a gente!

    ResponderExcluir
  17. Oiii!!
    Eu tinha lido por cima sobre esse livro, mas já tinha ficado interessada em ver. Agora vejo que estou marcando bobeira por não ter assistido ainda rs.
    Quero ver pra ontem! É uma história incrível que já deixou meu coração apertado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Oii!
    Ainda não conhecia esse filme, acho que vivo no mundo da lua.
    Gostei de esse filme ter sido brutal e sofrido. Também achei muito legal que ele tenha uma fotografia muito impactante.
    Obviamente, vou me valer da dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Estou muito animada pra ver esse filme desde a época do Oscar, mas ainda não tive oportunidade. Ler sua resenha me deixou com mais vontade de assistir
    Beijos

    ResponderExcluir