Oi, gente!

O livro do qual falarei hoje é um pouco diferente dos que resenho normalmente por aqui. Primeiro, porque não é de ficção. Depois porque não é voltado apenas para o público jovem. Apesar do título digno de Nicholas Sparks, “Para poder viver”, de Yeonmi Park, é uma autobiografia.

O livro conta, em primeira pessoa, a história de Yeonmi Park, desde a sua infância miserável na Coreia do Norte, onde a população simplesmente desconhece o significado de liberdade, até os dias de ativista na Coreia do Sul. No país onde Yeonmi cresceu, desaparecimentos são normais, e o resto do mundo é considerado o inimigo, enquanto o ditador Kim Jong Un é adorado e considerado o “paizinho” de todos. No país onde ela nasceu, assistir filmes de hollywood pode te fazer ir preso em um campo de trabalhos forçados. Yeonmi vive em uma aldeia, com a irmã, Eunmi, a mãe e o pai. Quando o pai é preso, eles percebem que seguir o mesmo caminho é questão de tempo. Fugir é uma decisão difícil, pois se forem descobertas, são mortas no mesmo instante pelo governo. Aos treze anos, Yeonmi foge pela China, através do deserto de Gobi até a Mongolia, em direção à Coréia do Sul. Testemunha, em primeira mão, a violência e o contrabando de pessoas, enquanto procura pela irmã, de quem se separou ainda do outro lado da fronteira.

Sabe aquela sensação que temos ao ver as áreas mais pobres do nosso país no Globo Repórter? Ou então ver miséria, exploração, tráfico de mulheres em documentários do gênero? Crianças comendo palma? Multiplica por mil. É pensar que, por mais precária que esteja a nossa situação, na Coréia do Sul eles estão infinitamente piores. 

Se a sua intenção ao ler um livro é escapar das agrúrias da vida e não se sentir mal, nem abra. Não é uma leitura fácil. Mas se você gosta de aprender sobre outras culturas, entender o que leva toda uma população a apoiar um ditador como Kim Jong Un, mesmo não tendo nem energia elétrica, esse livro é maravilhoso. 

A leitura desse livro é obrigatória para os saudosos da ditadura, para entenderem o que é ser provado do direito de ir e vir, não poder falar mal do governo, ter toque de recolher e conviver com o desaparecimento das pessoas mais próximas como algo rotineiro.

Além da história da garota que, com apenas 21 anos, se tornou ativista pelos direitos humanos, o livro disponibiliza também fotos de infância dela e da sua família, o que nos aproxima da narrativa envolvente. 

Tem também um mapa, para entendermos exatamente por onde ela passou. 


Quando li “Para Poder viver”, eu tinha acabado de assistir ao documentário da VICE sobre a Coréia do Norte (The VICE guide to North Korea), e ficado abismada com o que vi. E agora, com a ameaça de uma guerra entre o membro do eixo do mal e os Estados Unidos, torna-se ainda mais necessário se informar a respeito. Coloco aqui o link para o documentário, para quem fala inglês e quiser saber mais.


E aqui está o discurso dela, com legenda em português.


Gostaria de avaliar esse livro em termos das estrelas que ajudaram a guiar a Yeonmi para a liberdade. Apenas 5 não bastariam. Eu precisaria de um céu inteiro. Se você me acha brega, dê uma olhadinha no discurso dela acima, e me diz se não se emocionou. 

Meu veredicto? Simplesmente imperdível.

Beijos da Lari (LEITORA EM SÉRIE)

Ficha técnica:
Título: Para poder viver – A jornada de uma garota norte-coreana para a liberdade.
Gênero: Memórias
Número de páginas: 308
Editora: Companhia das Letras


28 Comentários

  1. Oi, Alice!
    Menina, então.. acho que vou passar a leitura. Não estou numa fase boa de ler sobre vidas difíceis...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a Larissa. Entendo seu lado, mas não deixe de ler mais tarde... bjos

      Excluir
  2. Oie
    Achei bem interessante o livro, e é bom para conhecer mais dessa realidade, acredito que não deva ser mesmo uma leitura fácil. Gostei da indicação.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não é exatamente facil, apesar da narrativa fluida. Mas é importante.

    ResponderExcluir
  4. Olá Lariiiiiiiiiii
    Gosto de biografias porque a identificação é imediata em alguns casos como deve ser esse, a gente fica com vontade de colocar a Yeonmi no colo e dizer tudo vai ficar bem.
    Só que não vai ficar bem e é ela quem coloca a gente no colo e diz: vamos conseguir mas é preciso lutar.
    Nossa fiquei impressionada com o livro! Sabemos que acontece mas não temos relatos pessoais nem nomes e rostos. Realmente me pergunto como pode um governo assim ter o apoio da população????
    Como pode um povo viver sem o direito básico de ir e vir, sem falar na pobreza que assola o país.
    Pensar que desaparecimentos são comuns e até falar ou assistir um filme pode condenar alguém.
    Quero ler para entender.
    Desejando muito que ela tenha encontrado a irmã e tenham se juntado com a mãe delas!!!
    Bjsssss Lari *****
    Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é simplesmente mara. Mas é indigesto como comer ovo e tomar suco de maracujá a noite. Chorei qdl vi o discurso.

      Excluir
    2. Esse livro é simplesmente mara. Mas é indigesto como comer ovo e tomar suco de maracujá a noite. Chorei qdl vi o discurso.

      Excluir
  5. Quero muito ler esse livro..
    Pois eu acho que que encarar a realidade dos outros nos faz refletir e reclamar menos da nossa.
    Coreia do Sul/Norte é um lugar que como diz um amigo "preconceito é apelido lá"... Existe pessoas que vivem de um jeito que nós não fazemos ideia até ler ou ver alguém que viveu isso.
    Preciso desse livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, sério que você tem Ohara no nome? tipo Scarlett O'hara? Se for fã, já gostei de vc ahahah Existe uma abertura na coreia do sul. Conheci varios no Canadá. Da Coréia do Norte, eh outra historia. ahahaahah

      Excluir
  6. Uau, parece ser realmente um livro muito forte e uma leitura bem difícil. Confesso que não sei se aguentaria ler tudo.
    Gostei de saber que ela mostra no livro o que leva as pessoas a apoiarem um ditador, fiquei bem curioso para saber.

    Beijos
    http://www.mundoinvertido.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bem apoio, é lavagem cerebral. Eles aprendem que o sol nasce e se põr na Familia do Kim Jong Un. Vale mto a pena
      bjosss

      Excluir
  7. Pior que o título é à la Nicholas Sparks mesmo hahahaha eu até pensei nisso, achei que deveriam estar fazendo algo voltado ao kpop. Eu estou chocada por saber que é uma autobiografia e ler esses acontecimentos no país dela :O como se fossem coisas ok. Esse choque cultural realmente me impressiona! E fico aterrorizada por ela e pelo que ela passou. Por todas as situações de risco, a fuga, o medo, a miséria. Meu deus! Realmente, esse livro não parece ser daqueles para ler antes de dormir. Parece muito cru, daqueles que você lê no meio da tarde e sua imaginação sobre os acontecimentos se perpetuam. Uma moça tão jovem lutando tanto... Que tristeza =( E ainda possui fotos para tornar tudo mais sentido. E mapaaa! Gente, de verdade, apesar de doído e ser engolido a seco, parece um livro engrandecedor. Vou procurar para ler, pois fiquei bastante curiosa de como ela narra esses fatos e todo o desenrolar. Obrigada pela resenha! Super bem escrita e detalhada, amei. Verei o DOC sobre a Coréia do Norte também :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelos elogios todos. Vale mto a pena mesmo. bjossss

      Excluir
  8. Eu ja conhecia o discurso da Yeonmi, e não tem como não se emocionar. A situação da Coreia do Norte sempre foi algo que me chamou atenção e me deixa aflita por pensar que existem pessoas no mundo que não tem culpa nenhuma de nascerem em um país como aquele. Eu descobri a pouco tempo que ela havia lançado um livro contando sua história, e devo dizer que o lançamento foi em um momento bem estratégico para o país. Agora que a situação da Coreia do norte está em evidência, mais pessoas vão se interessar pelo livro e vão conhecer como é viver em um lugar como aquele. Quem sabe assim não possa ser criada uma forma de ajudar aquelas pessoas, né?

    Com certeza vou ler este livro. Sei que será uma leitura difícil, mas é necessária. Não podemos fechar os olhos para o que acontece no mundo. Pelo menos, é o que eu acho.

    Adorei a resenha! Beijos


    www.nebulosadeflores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Larissa tudo bem?
    O livro é bastante interessante não é uma leitura fácil de ler como você disse, Yeonmi Park ela viveu em um tempo muito difícil onde as pessoas não tinham a sua liberdade. A vida dela foi muito dolorosa, difícil, sofrida, o livro traz a realidade daquele país. É um ótimo livro pra quem deseja conhecer essa realidade, bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em tudo o que você disse. Aprendi (e sofri) mto lendo. É o tipp de livro que fica com você. bjosss

      Excluir
  10. Não conhecia esse livro e devo admitir que não é meu tema favorito, mas sua resenha ta incrível e me deixou bem curiosa sem duvidas futuramente irei procurar para ler com mais calma, beijos

    ResponderExcluir
  11. Quero muito ler esse livro. Amei a sua resenha e me bateu aquela curiosidade profunda.
    Super beijo.

    ResponderExcluir
  12. Eu adoro o Gnoma Leitora incondicionalmente hahaha Suas resenhas são sempre perfeitas e abordam livros de diferentes temáticas. Dessa vez não foi diferente, a história de vida de Yeonmi Park parece ser aquela autobiografia que nos deixam boquiabertos com as experiências e dificuldades que passou. Gostei muito da premissa e despertei uma curiosidade para ler Para Poder Viver.
    Um grande e forte abraço!

    ResponderExcluir
  13. Oi Larissa!! Sua resenha está fantástica! eu tenho pavor de ditaduras e fico abismada com a da Coreia do Norte, a gente se acha tão moderno que governos assim só nos mostra o quanto a humanidade ainda tem o que aprender. Eu não conhecia o livro, mas realmente parece ser riquíssimo!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  14. Não sou muito de ler mas adoro coisas relacionadas a países e culturas diferentes! Adoraria ler esta história pois sou dessas que ve muito sobre a coreia do sul mas nada sei sobre a coreia do norte! Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  15. Caramba, não conhecia o livro mas achei ele muito legal, bom que a gente conhece melhor a cultura da Coreia né? Muito bacana mesmo! Adoro histórias assim e vou procurar o livro para ler ♥️

    ResponderExcluir
  16. Este livro deve ser uma ótima leitura, afinal ouve-se falar muito da Coreia do Norte em relação a ditadura e pouca coisa em relação ao que as pessoas sofrem por lá. Adorei a dica! Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Tenho uma amiga que está lendo esse livro e já o andei folheando, estou esperando ela terminar a leitura para me emprestar... depois da sua resenha, fiquei com muita vontade de ler

    ResponderExcluir
  18. ela teve uma infância demerosa....Ela diz em seu discurso que na Coréia do Norte, os cineastas teriam sido executados se eles estivessem planejando fazer um filme como Titanic. Não havia histórias humanas permitidas, nada além de propaganda sobre o Líder. Mas ela ficou surpresa com os personagem estavam dispostas a morrer por amor.Todos temos nossos próprios desertos. Eles podem não ser o mesmo que o meu deserto, mas todos nós temos que atravessá
    - los para encontrar um propósito na vida e ser livre.

    ResponderExcluir
  19. Eu amo biografias, porque nos contam como eles realmente viveram. Imagino que tenha sido uma leitura muito complicada, as que bom que acrescentou algo em sua vida. Fiquei bastante interessada na história e pretendo lê-la assim que possível!

    ResponderExcluir
  20. Me interesso pelo livro, histórias reais são sempre boas embora tristes,ensinam uma lição para a vida inteira aos leitores. Viver na Coreia do Norte não é nada fácil mesmo, ela deve ter sofrido bastante. :/

    ResponderExcluir